Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




terça-feira, agosto 30, 2016

Responsabilidade ignorada sobre as calçadas


O tema é nobre, mas sua condução foi pobre. Muito se falou em Brasília, em políticos etc., dois erros fundamentais ao se falar em calçadas, primeiro porque quem regula as calçadas é a lei orgânica do município, segundo porque quem administra é o município e, de mais a mais, não são os políticos os principais responsáveis por seu mau estado de conservação ou inexistência porque, até onde sei, a calçada é responsabilidade do proprietário do imóvel que deve disponibilizar o espaço para a construção da mesma. Acontece que no Brasil de hoje, amaldiçoado por essa 3ª geração de direitos se esquece dos deveres e o jeito de consertarmos isto é penalizando através de multas quem não as constrói. Mas será que daí teríamos um artigo tão bonitinho que beira a própria poesia da mesma forma que erra, redondamente, o alvo?

Cf.
http://brasil.elpais.com/brasil/2016/08/29/opinion/1472496794_030134.html?id_externo_rsoc=TW_CC
via @elpais_brasil
---------------------------

http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio

Se concorda, compartilhe.    

segunda-feira, agosto 29, 2016

O problema do “Escola Sem Partido”


É exatamente neste ponto, a prova, que o Escola Sem Partido deveria atuar, acusando os professores que forçam os alunos a pensarem igual e de forma ideologicamente enviesada (imagem: vejasp.abril.com.br).

O grande problema do Projeto de Lei do “Escola Sem Partido” é a sua prova. Que tipo de prova teríamos que ter e isto não está especificado no projeto, apenas a denúncia. Do jeito que está ali, se um dia um aluno evangélico, adventista etc. se sentir ofendido em suas convicções durante uma aula de biologia que aborde a evolução. O modo como seus pais o ensinaram sobre o mundo, p.ex., a partir de uma perspectiva criacionista, em confronto com a teoria da evolução será mais do que suficiente para mover uma ação contra o professor. Minha mulher, quando foi intercambista morou numa cidadezinha interiorana do Canadá na Terra Nova e durante uma aula de biologia ela perguntou ao professor se ele não ensinaria a teoria da evolução, ao que o mesmo respondeu não, porque não acreditava naquilo. Veja... Um professor de biologia! Mas, por outro lado, a cultura local ou, empiricamente falando, o comportamento do professor foi exemplar: respondeu que se ela quisesse poderia apresentar um seminário sobre o assunto, o que ela fez e ficou tudo bem, ninguém foi repreendido, ninguém foi punido, ninguém foi perseguido. Já aqui mesmo em Florianópolis, alguns meses atrás, uma menina que vinha às manifestações a favor do impeachment desta que nos atormenta agora na TV Senado... Só de contestar seu professor de história em sala de aula foi retirada da mesma e levada à direção. Este tipo de abuso tem que terminar. A questão é que do mesmo modo que poderemos usar uma lei dessas para o justo, alguém poderá usar para perseguição ou preconceito a um conteúdo. E aí, como fazemos? Por isso que eu acho que a questão da prova, de sua qualidade e como a obtermos é que é fundamental e, ela passa pelo livro ser o menos imbecil possível e aí sim, a fiscalização de se o professor da disciplina está ensinando de acordo com o conteúdo.

Por *prova* me refiro, obviamente, a como provar que o professor está doutrinando. E além disso temos as avaliações, nelas é que também veremos se um professor está pendendo para uma visão política.

A internacionalização da Amazônia e a credulidade dos idiotas

A página fake de um livro inexistente conseguiu ser citada pela SBPC como verídica. 
Isso é ser cientista no Brasil?

"A imagem de um suposto livro didático norte-americano com a floresta amazônica sendo tratada como parte do território americano é provavelmente uma das maiores lendas urbanas da internet brasileira. Sua origem é de um site criado em 1999 por um grupo de militares nacionalistas da reserva. A narrativa é perfeita. Em uma época onde o “Fora FMI” e o “Fora Alca” eram as palavras de ordem da vez, a corrente repassada por e-mail era a prova definitiva das intenções imperialistas americanas. Estava ali, para quem quisesse ver. A corrente de e-mail repercutiu. Grandes jornais divulgaram como se fosse verdade. O Congresso brasileiro decidiu pedir explicações do embaixador americano, enquanto professores universitários em todo o país inflamavam seus alunos contra o imperialismo daqueles que se acham “donos do mundo”. Na prática, a imagem repleta de erros básicos de inglês é apenas mais um dos tantos mitos que baseiam boa parte do que acreditamos saber sobre os Estados Unidos. A ideia parece tentadora – encontrar um “bode expiatório” que alivie nossa barra, nos mostre que não temos tanta responsabilidade assim sobre nossos problemas e que, na realidade, somos vítimas de uma grande conspiração que nos impede de sermos uma nação próspera e livre. Nas universidades e em muitos outros cantos país afora, o anti-americanismo sobrevive e prospera com base neste princípio." 
Mais em: 7 mitos que você sempre acreditou sobre os Estados Unidos
http://spotniks.com/7-mitos-que-voce-sempre-acreditou-sobre-os-estados-unidos/
via @spotniks

Quanto à suposta página do livro didático americano, quando ouvi esse boato pela primeira vez, sempre vinha acompanhado de um sintomático "conheço alguém que viu" sendo que o relato nunca era feito na primeira pessoa. Daí, os terceiros contavam com credulidade a partir de pessoas de sua confiança. Ingenuidade? Sim, mas mais do que isto: medo. Agora, antes de irmos aos fatos basta um pequeno exercício lógico: como uma operação de tal monta, para subtrair uma imensa área e de valor inestimável seria (atentem) exposta publicamente e de forma tão não precavida em um livro didático?! A explicação conspiracionista: "para incutir no jovem americano a justificativa de porque tinham que aceitar e agir (caso convocados para alistamento) a lutar pela Amazônia e contra o Brasil". Pronto! A perfeita explicação, cujos fins justificam os meios estava produzida. Em segundo lugar bastaria ler a própria página que teve ampla circulação na internet (à época através de e-mails) para perceber, sem muita desenvoltura no idioma inglês que ela foi escrita por alguém do nível do personagem de João Santana com seu "embromation". Aqui vocês poderão ver com mais propriedade e aproveitar para dar umas boas risadas com esse libelo fake que angariou muitos crentes nacionalistas-protecionistas que uniram-se aos esquerdistas órfãos do velho comunismo leninista terceiro-mundista que, infelizmente, ainda infectam nossas universidades: http://www.quatrocantos.com/lendas/54_amazonia_finraf.htm. Agora, de tudo isto, o que mais me deixou abismado foi ver colegas meus (professores de geografia) repetirem esse amontoado de asneiras para seus alunos, assim como uma nota em encontro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), ou seja lá o que se entenda por "ciência" no Brasil. E ainda tem energúmeno que diz não haver doutrinação esquerdista nas escolas brasileiras...

Só uma dúvida, página criada por militares da reserva? Eu li que foi feita por um estudante da Unicamp, o que me pareceu mais plausível. O que acham? Afinal, este tipo de coisa tem cara daquela universidade...
---------------------------

http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio

Se concorda, compartilhe.    

sábado, agosto 27, 2016

O Brasil seletivo de Pepe Escobar 01



Para aqueles que não sabem, Michel Temer foi o vice-presidente eleito por aqueles que elegeram a presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores e que teve que assumir, interinamente, pelo processo de Impeachment contra ela. Ou seja, se há algum responsável por sua posse, este é o eleitor do PT. Mas vejam que interessante... Pepe Escobar escolhe uma foto de protesto contra o vice, mas não dos milhões que foram às ruas chutar a quadrilha mais corrupta de nossa história. 


Deixo aqui, um comentário de Lelis Douglas, um lúcido internauta:


"Estima-se que Portugal tenha levado do Brasil 800 mil kg de ouro durante o período colonial. Pela cotação desta quinta à tarde (US$ 42,50 o grama), o valor chegaria a US$ 34 bilhões. Com o dólar a R$ 3,20, podemos dizer que Portugal nos surrupiou algo em torno de R$ 108 bilhões.
Se o déficit que Dilma Rousseff deixou aos cofres públicos é de R$ 170 bilhões, pode-se afirmar que Lula, Dilma e seus companheiros conseguiram a façanha de arrasar mais o Brasil em 13 anos do que os portugueses em 300."


Aqui vocês podem ler um desabafo/vômito deste jornalista picareta:


The Rio Olympics are gone – Bolt, Phelps, Neymar, the green pool, the Ugly American Lochte and all – but a global audience may have been spared a shameful last act.Mediocre incompetent opportunist, corrupt coward traitor, and certified political usurper, interim President Michel Temer, refused to go to the closing ceremony, afraid of being booed out of a packed Maracana stadium. According to the latest polls, 79% of Brazilians want Temer The Usurper out. Now.Thus Temer The Usurper was not able, according to protocol, to pass the baton (for Tokyo in 2020) to visiting Japanese Prime Minister Shinzo Abe. Team Temer offered a meeting later on in the capital, Brasilia. Japanese diplomats flatly refused; who wants your Prime Minister to meet a coward in hiding?
Cf. Brazil's Banana Scoundrels Will Now Win Their Olympics

sexta-feira, agosto 26, 2016

Made in MEC 01


“É fato que a conformação dos estilos de consumo varia drasticamente entre os países desenvolvidos e os menos desenvolvidos, sendo muito graves também as diferenças verificadas entre os perfis de consumo nos centros urbanos e no meio rural. No entanto, os apelos de mercado têm ampliado as fronteiras de atuação, generalizando, assim, um ideal crescente de consumo, impedido por restrições econômicas regionais e pelo estágio tecnológico vivido”[1]


Não são "estilos de consumo" que variam de país a país, mas seu valor, na melhor das hipóteses. O estilo é algo que varia internamente a cada país, região, cidade, enfim... E "meio rural" presumido como área pobre, só mesmo em um livro do MEC mais próximo de você. Quem acha que áreas rurais no Brasil são necessariamente pobres deveria dar uma olhada nos PIBs internos do Brasil por setor produtivo e conferir o que se obtém em áreas especializadas na agricultura comercial. A raiz dessa divisão entre um bloco de desenvolvidos e outro subdesenvolvido é leninismo barato e da zona rural como retrógrada, pobre e famélica é marxismo do século XIX. Ainda, o ideal de consumo não é impedido, pode não ser alcançado, mas enquanto ideia permanece livre, pois isto ninguém consegue reprimir em outrem.



[1] Oliveira, Gilvan Sampaio de. Mudanças climáticas : ensino fundamental e médio / Gilvan Sampaio de Oliveira, Neilton Fidelis da Silva, Rachel Henriques. – Brasília : MEC, SEB ; MCT ; AEB, 2009. 348 p. -- : il. – (Coleção Explorando o ensino ; v. 13). Disponível aqui, p. 128. Acesso em 26 ago. 16.

segunda-feira, agosto 22, 2016

Escola sem partido ou sem juízo - Resposta à Paula Marisa


Lembrei de um vídeo que achei que valesse a pena assistir...

Mas, sinceramente, ela não é muito honesta não... Com esses argumentos, não tenho muitos aliados. Que o Pirula não tenha sido feliz com sua crítica é uma coisa, agora ela citar dois acadêmicos para confirmar(!) sua crença de que o homossexualismo é totalmente ambiental e repare, lá para a frente, ao criticar a Ideologia de Gênero, ela ataca este mesmo princípio de que a "opção sexual" é totalmente influenciada. Agora, estou tento um parto aqui ao ouvi-la dizer que esta ideologia surgiu do marxismo. Qualquer um que tenha lido Marx ou mesmo o livrinho do Engels baseado no antropólogo Morgan (A Origem da Família...) sabe que esta ilação é uma decorrência pós-marxista e este prefixo não é gratuito, trata-se de muita deturpação ou "adaptação", digamos assim, do marxismo. Revisemos: ela escolhe a dedo pensadores que dizem que o homossexualismo é causado por forças ambientais, mas daí critica a ideologia de gênero por ser fruto de influência, ambiental lógico, da cultura que tentam inocular. Ora! Ou é uma coisa ou outra. E novamente fala a besteira de dizer que isto é marxismo... Ora, sou anti-marxista, mas nem por isto vou atribuir ao cadáver de Marx algo que ele não disse e, isto é importante, QUE NÃO DECORRE DE SEU PENSAMENTO. Quanto ao Criacionismo Científico, bem... Não é minha área, mas se for para ensinar criacionismo, que tal começarmos pelo dos gregos? Ou dos nórdicos? "Ah! Mas isto não é ciência..." Então me digam como se pode afirmar que a Terra tem apenas 3.000 anos como querem os evangélicos? Comecemos por aí então. 

Agora se ela afirma que Darwin cometeu fraudes ou que há falhas (quais?) na técnica do C 14, teria que demonstrá-las. E mais, ela se trai ao dizer que o ensino não precisa ser só como querem os ateus (lá pelos 12:45), como se apoiar a Teoria da Evolução fosse sinônimo de ateísmo. Se uma coisa está ligada a outra, NÃO QUER DIZER, exatamente, que uma metafísica decorre de outra. 

Agora, sinceramente, quando ela diz que Hitler era darwinista foi demais... Há trechos explícitos que mostram a visão religiosa de Hitler. Incorreta? Perfeito, claro que era uma deturpação, mas quem diria que a apropriação que Hitler fez de Darwin era correta? Só porque ela não apoia Darwin, que é isto, dois pesos e duas medidas? Revisando: se um louco, sociopata como Hitler se apoiou, supostamente, em Darwin quer dizer (PARA ELA) que Darwin era uma espécie de proto-nazista, MAS (AQUI ESTÁ O PONTO), se Hitler se pronuncia, EXPRESSAMENTE, favorável a uma visão de Cristandade, daí não vale?! Ora! Se houve deturpação/apropriação de uma visão científica e/ou filosófica de um lado, o cristianismo por que não teria ocorrido o mesmo com o darwinismo? Coerência, Sra., coerência!

Que o Projeto de Lei "Escola Sem Partido" é de extrema importância, eu não tenho dúvida, mas convenhamos, ele precisa de melhores advogados.


Ah! Quase esqueci, alguém precisa ensiná-la que ideologia pode ser tomada como filosofia política. Essa história de dizer que “o conservadorismo não tem ideologia” é de um nanismo intelectual medonho... Como se indivíduos não tivessem diferentes pecepções e análises sobre a realidade. Só mesmo para ela que existe um modo de entender o mundo decorrente em proporção direta da realidade, como se seres humanos fossem meros receptáculos sem poder decisório e capacidade de julgamento que, por isto mesmo, discordam. Na verdade, só ouvi este tipo de argumento de alguns evangélicos fanáticos que, para se distinguir de tantas outras religiões diziam que não tinham religião ou “que minha fé não é religião, vem direto de deus”. Interessante que isto não é único para as religiões, mas para qualquer pensamento dogmático não sujeito ao contraditório. 




PROCURADORA USA O CARGO PARA MILITAR CONTRA ESCOLA SEM PARTIDO - FELIPE ...


Aqui, uma boa análise de Felipe Moura Brasil, mais pra denúncia mesmo. Só discordo em um porém, não foi "o PT quem incentivou esta doutrinação há décadas", mesmo porque o PT chegou formalmente ao poder há pouco mais de uma... Foram os professores que apoiaram o PT que criaram este monstrengo e isto tem várias causas, uma delas é a opção ideológica. Agora meu ponto e que defenderei amanhã no debate no CCJ-UFSC: por que é importante diferenciar o que veio primeiro, o ovo ou a galinha? Porque se não soubermos qual é a origem e a causa fundamental, tu pode eleger o melhor governo possível, a melhor plataforma política, que o problema deste "câncer pedagógico" continuará minando as bases da sociedade e extinguindo a possibilidade de construirmos uma elite intelectual majoritária que guie os rumos do país.



sexta-feira, agosto 19, 2016

Educação, abrangência e ineficiência


Neste excelente texto, que vai além de criticar a ideologização do ensino, com a famigerada e já extinta proposta da Base Nacional Curricular Comum (que eliminava ou reduzia drasticamente certos temas considerados "tradicionais" e "etnocêntricos") analisa como as mudanças e propostas pedagógicas formuladas nacionalmente atentam contra a diversidade de opções para o ensino médio e criam um projeto irrealista, como o de fundir todos os conhecimentos técnicos numa lógica comum que deve ser apreendida. Como se já não fosse uma tarefa tão hercúlea quanto necessária ensinar o básico mal aprendido... Comecemos com português e matemática bem ensinados, que uma verdadeira revolução educacional já se avizinhará.

Anselmo Heidrich

Cf. A reforma necessária do ensino médio: além de Gramsci » Simon's Site
http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=5560&lang=pt-br 

quinta-feira, agosto 18, 2016

Debate sobre o Escola Sem Partido


7 exemplos de como Lula é retratado como herói nos livros didáticos brasileiros
http://spotniks.com/7-exemplos-de-como-lula-e-retratado-como-heroi-nos-livros-didaticos-brasileiros/ via @spotniks
Aí pessoal, um bom artigo expondo a hipocrisia do professorado que diz não haver doutrinação nas escolas. E lembro que dia 23, terça às 20h estarei debatendo o assunto no auditório do CCJ-UFSC. Apareçam lá, espero que "pegue fogo". No sentido metafórico, claro...
---------------------------
http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio
Se concorda, compartilhe.

O nosso diferencial olímpico


Imagem: gettyimages.com

Pessoal, independente da religiosidade do cara (esqueçam isto por alguns minutos) avaliem a essência do que ele diz:

"Paulo Sato(via Facebook) OLIMPÍADAS - THE G.A.T.E. PROGRAM
Quem ganha uma medalha olímpica , não é um país, mas sim a pessoa que nasceu no país. A conquista é individual. Diante da minha afirmação então pode ser questionado – se em partes do mundo como os EUA, nascem gente superior, uma vez que com 4.5% da população mundial, ganharam mais de 20% das medalhas olímpicas disputadas, desde que iniciou os jogos. Lógico que todos sabem que não, que as pessoas do mundo todo são iguais. Mas então porque os resultados são diferentes ?
Na olimpíada de 2.000 na Austrália, quando o Brasil ficou com o 57Th lugar no quadro de medalhas, sem nenhum ouro, li dezenas de artigos de brasileiros de todas as atividades, opinando sobre o fracasso olímpico do Brasil. Todos – seja de gente do esporte, seja de gente totalmente fora do esporte, mas amantes e estudiosos do esporte, sociólogos, professores, economistas, administradores, etc....enfim todos tinham uma conclusão em comum. “O Brasil não investe em esporte amador, precisa investir mais”. A delegação que foi aos jogos em Sidney, estava entre as 4 maiores do mundo , levaram até um palestrante de auto ajuda o R. Shiniyashiki.
Afirmo que todos do país todo está errado na leitura !!! Se dividirmos o quanto o Brasil gasta com esporte amador e quanto os EUA gasta, e dividirmos pelo numero de medalhas, com certeza cada medalha brasileira custa várias vezes mais, talvez umas 10 vezes mais que uma medalha dos EUA. Ou seja não é “investimento”, e sim o como investir, o como fazer.
E como faz os EUA ? Alíás não só no esporte, mas em tudo, a opção do estado ( EUA )é pelo CAPITALISMO, e o CAPITALISMO não investe em uma atividade, mas só nas pessoas no individuo que dá retorno. Ou seja obedece a DEUS. ( todo garoto Argentino quer ser o Messi da mesma forma que um garoto brasileiro quer ser o Neymar, mas DEUS deu o talento a eles. 1 em mais de bilhões ) Isso fica dez vezes mais barato com dez vezes mais eficiência que no SOCIALISMO que quer dar igualdade as pessoas, no modelo que vejo no Brasil.
Nos EUA, tem um programa que inicia na quarta série escolar, ou seja média das crianças com 10 anos de idade, chamado ” G.A.T.E. Program.” Iniciais para “GIFTED AND TALENT EDUCATION.” Se um garoto com 10 anos faz 100 mts em 13 segundos, se for acompanhado, em 8 anos tem potencial para ser medalha nas olimpíadas. O Phelps, foi uma das crianças descoberta no GATE program. ( sozinho ganhou quase tanto medalhas de ouro quanto o Brasil inteiro em todas as épocas e esportes somados !!! ) Essas crianças ficam todos os dias, uma hr após a aula, para treinar, fazer o sabe fazer o que gostam e fazem de melhor. Aperfeiçoam o talento ganho de DEUS, com orientação, técnicos competentes e especialista. Ou seja o dinheiro é gasto só com poucos , só com os que DEUS, apontou o dedo e disse “esse é o cara” ( Romario disse isso, referindo a si mesmo ). O GATE PROGRAM, para mim é mágica dos EUA, que formam músicos, atletas, ganhadores de premio Nobel. Os números do mundo mostram a desproporcionalidade dos EUA em relação ao resto do mundo.
O Brasil nunca teve O CAPITALISMO como opção de estado. Gasta muito com pouco resultado em tudo pq é estado socialista. Raros conseguem se destacar, aparecem heróis como Thiago Brás que foi campeão mundial na categoria 15 anos. Com 22 bateu o Record olímpico. Quanto foi gasto com ele ? Quase o mesmo com outros que nem se chegaram perto de classificação. Tenho certeza que existem no Brasil vários hiper talentos com “GIFTED”, que poderiam ser medalha em olimpíadas, mas nunca souberam que tinham. Os esportes coletivos, divertidos como esportes coletivos, ( futebol, voley, etc ) voley de praia, mostra bem que no Brasil, temos talentos com Gift. Sempre ganhamos medalhas neles, estamos sempre no pareo pra medalha.
O dinheiro que o Brasil gasta com educação por aluno ou habitante é quase igual ao que os EUA gastam. A diferença é o jeito de gastar. No dia que nós do Brasil entendermos que escola não precisa de faxineira que limpeza de classe e banheiro e áreas comuns pode e devem ser feita pelos alunos da escola, com ajuda dos professores, o país se alinhará ao mundo desenvolvido e ficará com os ouros e pratas nos evento do país, evitando que os gringos levem quase tudo embora....."

---------------------------

http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio
Se concorda, compartilhe.    

terça-feira, agosto 16, 2016

Municípios e inchaço da máquina pública 01


Tranquilo e favorável?
Concursos públicos: semana começa com mais de 19 mil vagas | Congresso em Foco http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/concursos-publicos-semana-comeca-com-mais-de-19-mil-vagas/
Mas só resta dizer para quem não será...

BOM DIA pessoal, eu sei que para muitos professores, o sonho da estabilidade está no concurso público e em uma vaga nas secretarias de educação municipais ou estaduais, mas a questão não é esta... O que ocorre é que a expansão de concursos públicos, sobretudo municipais leva os municípios a gastarem mais com pessoal do que com investimentos necessários no desenvolvimento urbano que atraia produção e estabilidade social (empregos no setor privado, p.ex.). Segundo o Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF), 2015 foi o pior em dez anos quanto à situação das contas públicas municipais. Cada vez mais municípios ultrapassam o teto de 60% da receita corrente líquida (RCL) para as despesas com o funcionalismo público, o que significa 740 prefeituras nesta situação, contra 115 em 2007.

O que não dá mais para aguentar é esta situação que sugere que a solução para o desenvolvimento é abrir mais e mais concursos públicos e que todo empreendedor (sobretudo da educação) continua sendo demonizado. Basta!

---------------------------

http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio

Se concorda, compartilhe.    

terça-feira, agosto 09, 2016

O Sucesso consiste em não fazer Inimigo


Max Gehringer - Administrador de empresas e escritor, autor de diversos livros sobre carreiras e gestão empresarial, nos prestigia com mais um artigo brilhante. 

Nas relações humanas no trabalho, existem apenas 3 regras:

Regra número 1:


Colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano. Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar. Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe. Exemplo: Se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1999 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2009.

Regra número 2:


A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo. Um dia, ele será cobrado, e com juros.

Regra número 3:


Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo, parece um amigo. Muitas vezes, até parece o melhor amigo. Mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego. Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa. Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender.

Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos. Estatisticamente, isso parece ótimo. Mas não é. A 'Lei da Perversidade Profissional' diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais possa ajudá-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos. 
Muito cuidado ao tentar prejudicar um colega de trabalho; Amanhã ou depois você pode depender dele para alguma coisa!
 

Portanto, profissionalmente falando, e pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigo. Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que têm boa memória.

"Na natureza não existem recompensas nem castigos. Existem conseqüências."

sexta-feira, agosto 05, 2016

O capitalismo antiliberal

Imagem: memoria.ebc.com.br 
Pessoal, o texto é longo, mas instrutivo. Temos que reler a história e lembrá-la, lembrá-la e lembrá-la... Digo isto porque vejo cada vez mais uma confusão entre liberais com relação ao discurso liberal puro-sangue e a defesa de empresários. Nada mais equivocado! Assim como eu quero ecossistemas regidos pelo darwinismo (ursos vivos, mas vivendo como ursos) é necessário que empresários façam o que sabem melhor: *CONCORRER*. Sem apoio, sem ajuda, mas sob um sistema que os torne mais livres possível. Do contrário teremos casos como esse, verdadeiras anomalias para o liberalismo, mas crônicas no capitalismo de compadrio:

terça-feira, agosto 02, 2016

R.I.P. M.B.L.


Acredito, sinceramente, que não tenha sido má fé dos organizadores do MBL, mas para os doadores, o efeito foi danoso igual. Agora… O cancelamento do ato demonstra covardia (pela baixa adesão). Ora! Aqui, em Florianópolis, quando eu integrava o MBL local já fizemos atos com 30 pessoas e outros com menos ainda, para depois termos eventos com 50.000, 30.000 e até com 100.000! (Repare que, proporcionalmente à população municipal, mais do que S. Paulo jamais atingiu.) Foi por conta desses desmandos e centralização de poder que saí dessa organização. Em suma, não há como defender o liberalismo como meta, se seus métodos políticos não são liberais desde o início. 
R.I.P. M.B.L.

Cf. “Após cancelar presença em protesto, MBL dá calote em seguidores que financiaram grupo” by Democratize

https://medium.com/democratize-m%C3%ADdia/ap%C3%B3s-cancelar-presen%C3%A7a-em-protesto-mbl-d%C3%A1-calote-em-seguidores-que-financiaram-grupo-4a611d333d6a#.j2xxm9plx
---------------------------

http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio
Se concorda, compartilhe.    

A Censura do Escola Sem Partido


É censura sim, mas que mal há nisso? Se um taxista te leva para o caminho mais longo, te enganando, tu não irá censurá-lo por sua atitude? O problema das pessoas é que elas estão tentando entender o PL do ESP, como um projeto educacional (e ele mesmo se propõe à tanto ao querer ser incorporado à Lei de Diretrizes e Bases da Educação), enquanto que deveria ser incorporado ao Código de Defesa do Consumidor, pois é teu direito reclamar (e ser indenizado) por uma mercadoria danificada, especialmente quando isto foi feito com má intenção.

Cf. O problema da escola com partido
http://www.institutoliberal.org.br/blog/o-problema-da-escola-com-partido/

---------------------------

http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio

Se concorda, compartilhe.    

Como manter a educação brasileira em constante atraso


PISA[1] 2012
Já não é de hoje que o Brasil vem mostrando um péssimo desempenho em seu setor educacional. Cabe lembrar que não se trata apenas do setor público, pois o baixíssimo desempenho no setor privado também reflete na avaliação geral. O que temos que fazer? Avaliar porque ainda temos algumas “ilhas de excelência” (algumas escolas privadas, outras públicas, como os Institutos Federais) e procurar seguir estes exemplos tanto quanto possível. Só que isto é bem diferente das generalizações pedagógicas absurdas que se faz para o território nacional, como o grande equívoco da Progressão Continuada, eufemismo para Aprovação Automática que simplesmente aprova quase todos, independente de seu desempenho. Em suma, nosso Ministério da Educação simplesmente boicota toda e qualquer medida meritocrática desde seu nascedouro.

Isto não pode continuar.

2 ago. 16

---------------------------

http://inter-ceptor.blogspot.com/
Fas est et ab hoste doceri – Ovídio
Se concorda, compartilhe.   


[1]O Programme for International Student Assessment (Pisa) - Programa Internacional de Avaliação de Estudantes - é uma iniciativa de avaliação comparada, aplicada a estudantes na faixa dos 15 anos, idade em que se pressupõe o término da escolaridade básica obrigatória na maioria dos países.
O programa é desenvolvido e coordenado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em cada país participante há uma coordenação nacional. No Brasil, o Pisa é coordenado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
Em 2015, a aplicação do Pisa será 100% por meio do computador, com foco em Ciências. Novas áreas do conhecimento entram nas avaliações: Competência Financeira e Resolução Colaborativa de Problemas. No Brasil, a realização do Pisa ocorre no mês de maio para estudantes selecionados de todos os estados. A avaliação vai envolver, aproximadamente, 33 mil estudantes nascidos no ano de 1999, matriculados a partir do 7º ano do Ensino Fundamental, distribuídos em 965 escolas. As informações contextuais serão coletadas por meio de três tipos de questionários: Questionário do Aluno, Questionário do Professor e Questionário da Escola.”