Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




quinta-feira, abril 20, 2017

Choque de Dois Mundos


Ontem tive um tempinho e fui buscar um estojo para o tablet do meu filho que, milagrosamente, só tem um pequeno risco na tela. Enfim, eu encontrei o modelo certo e já aproveitei para ver se tinha uma capa para meu celular, um Xiaomi. Um dos atendentes, típico adolescente integrado à tecnologia me dizia encantado que este celular (que eu comprei baratinho) iria revolucionar o mercado, que acabara de lançar um modelo com 90% das funções na tela (achei que já era comum) etc. e etc. Eu confesso que me irrito com celulares, apesar de utilizá-los e muito. É que gosto tanto de máquinas de escrever que não me habituo a substituir um notebook, que bem ou mal lembra uma por uma coisinha incômoda que tem que se digitar quase que exclusivamente com polegares. Não faz sentido para mim, parece mais uma involução.
Como não me integrava e já que estava ali comentei sobre um de meus sonhos de consumo, que era ter um celular da Caterpillar. E o sujeito, com cara de quem perdeu o ônibus me disse que nunca ouviu falar. O outro funcionário da lojinha, mais antenado reagiu positivamente “é para trabalho pesado, né?” Eu disse sim, se poderia usá-lo próximo a fornos industriais ou no gelo e o primeiro, o “techboy” ficou mais perdido ainda. Daí eu disse, “Caterpillar sabe? Aquela marca de trator”. Piorou... E para facilitar eu ainda disse, “eu tenho umas botas dela”. Mas não dava, quanto mais eu tentava situá-lo, mais perdido ficava o garoto. Daí desisti e consenti que o problema desses celulares é que são muito básicos, mas por isso que duram. É... Parece que não se pode ter os dois mundos. Mas saí dali com uma sensação de que não consegui me comunicar ao falar de celulares como nos comunicamos com celulares. Estranho...
Hoje fui fazer exames de rotina que estava em falta, sangue, tomo e a ressonância de cabeça e pescoço. Ao entrar na sala de espera, uma senhora me olhou e conversamos. Percebi claramente que ela estava tensa, seu neto de apenas 5 anos tinha um tumor. Embora, já tivesse tirado o primeiro, este não fora tratado e agora tinha uma recidiva. Contei resumida e rapidamente minha história, que costuma inspirar alguma esperança, mas ela me impactou falando da criança. Disse que ele iria fazer um transplante de medula, mas por alguma razão (exames, talvez ou vaga, não sei) não conseguiu ir para São Paulo, mas indicaram Porto Alegre. Quando lhe disse que havia um bom centro de transplantes lá, ela se alegrou e atribuiu à intervenção divina, que “não era a hora de fazer em São Paulo, que então foi por isso”. Quanto mais ela falava, mais aturdido eu ficava, mas nada se comparou quando vi o garoto, um garotão de cinco anos na maca, só um pouquinho mais velho que meu filho, coberto e carequinha. Aquilo apertou meu estômago e fiquei muito mal mesmo. Querendo ser sedado logo.
O que eu diria a ela. Nada. Por vezes, o nada é a melhor resposta. Apenas me restava o silêncio ao ouvir suas palavras fazendo meneios com a cabeça, como que concordando e para que se sentisse segura. Quero crer que tenha funcionado, quero crer que o câncer na criança contrariando todas as tendências seja atrasado. Quero crer, mas não atribuo isto a nenhum outro fator ou entidade que algo além de minha ignorância. A única coisa que sei é que se vamos deixar esta festa e partir, temos que estar calçados com nossas botas. E espero que minhas poucas palavras àquela senhora tenham lhe dado a mesma sensação de segurança que minhas Caterpillar me trazem ao calçá-las.
Se estes mundinhos que se chocam no cotidiano, entre a geração high-tech e dos analfabetos digitais em que me incluo, dos crentes e dos céticos como eu falassem menos, menos conflitos surgiriam com certeza, mas igualmente menos chances de se aprender alguma coisa. Naquele momento que vi o garoto passar desacordado na maca pelo corredor, eu vi na porta pelo que se vale a pena lutar e viver.
A avó se levantou e me desejou muita sorte, mas fiquei mesmo foi com o desejo de ter um milésimo de sua força. Eu desejo mesmo que ela consiga surfar na conjunção de acasos e forças que se debatem nossos mundinhos e compõem o universo.
Boa noite,
a.h






Mesmo com seus dentes, Mestiço não conseguiu estripar o couro de minhas Caterpillar.

terça-feira, abril 18, 2017

segunda-feira, abril 17, 2017

Retrato do Brasil Atual

Uma sucinta e desanimadora análise. Na verdade, o que ficamos sem ver de tão amortecidos pelo crédito fácil de uma década.

quinta-feira, abril 13, 2017