Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




sexta-feira, novembro 17, 2017

Kopperfield - Tales Untold 1974 (FULL ALBUM) [Hard Rock]





Kopperfield - Tales Untold 1974



Hard Rock 1974 USA

Tracklist:

01 - Moonride (3:40)

02 - Anatomy (3:06)

03 - Brain Rot (4:39)

04 - Watching The Time Go By (4:31)

05 - Nothing Left To Give (4:53)

06 - Truckin' On (3:43)

07 - Tales Untold (3:32)

08 - Magic In Your Mind (3:23)

09 - A Thousand Warriors (2:58)

10 - Wiseman (2:06)

11 - Dreams (4:25)

12 - Can't Find My Wine (6:24)

13 - People Are Leaving (4:10)

14 - Red Neck (3:14)

15 - Gonna Get Stoned (3:13)

16 - Wake Up People (4:31)

17 - Jam It (3:59)

18 - Naked Tears (2:30)

19 - You Pulled The Lights Down (3:19)

20 - Katie Love (6:52)



Paul Decker - Keyboards/Vocals;

Jimmy Robinson - Lead Vocals;

Chuck Eagan - Guitar/Vocals;

Tom Curtis - Drums;

Keith Robinson - Keyboards;

Jerry Opdycke - Bass;

Bill Wallace: Additional guitar and percussion on tracks 12-17

segunda-feira, novembro 13, 2017

William Waack, Boris Casoy, Diego Maradona e Ozzy Osbourne


Caros, assistam a este vídeo:


Agora minha opinião sobre um problema associado a este:


Se não fosse William Waack, jornalista respeitado pela maioria de nós por suas opiniões, não haveria tanta polêmica. Lembrei-me de outro, Boris Casoy, que foi um ícone da correção, da ética e que "elameou" tudo ao criticar garis em mensagem de ano novo na transmissão de sua emissora. Foi uma decepção muito grande, pois eu acreditava na imagem de um personagem ético que, no fundo, não existia. Analogamente, por isso quando ouço Sabbath antigo, ouço um cara cantando e não o Ozzy, sujeito que perdeu toda credibilidade como humano após pisotear pintinhos em um palco. Passou de simpático para nojo e não para meramente indiferente. Ouço o som daquela banda como quem ouve uma banda com vocalista sem rosto, se não fica difícil. A mesma coisa valeu para Ritchie Blackmore, genial guitarrista do Purple, mas que de tão intragável não passa disto, um guitarrista ou a antipatia gratuita de um genial músico, Ian Anderson do Tull, que ofendeu gratuitamente os músicos do Maiden que tentaram homenageá-lo com uma versão de Cross-eyed Mary ao dizer "fiz esta canção para uma garota cega, espero que tenha ficado surda antes de ouvir este lixo".


William Waack caiu nesta categoria, de pessoas que são só aquilo que deveriam ser, suas profissões e não a imagem de "algo mais", como símbolos de ética que foram um dia.


Outro bom exemplo de profissional excepcional que dista anos-luz da representação como modelo de pessoa é Diego Maradona. Acho que não há melhor exemplo do que eu quis dizer: vejam-no como o que é, apenas um atleta por que se pararem para prestar atenção nele como pessoa, seus sentimentos o trairão e passarão a procurar defeitos onde não há, que é o seu futebol.


Quanto às buzinas, elas são comuns em países com pouco respeito ao próximo, ou seja, países com pouca eficácia da lei, subdesenvolvidos e não necessariamente "negros" ou "pretos". Leiam sobre o trânsito em Mumbai ou no Cairo para entender o que digo. A falta de educação parece sim, algo típico de nossa cultura, o que William Waack pode nos provar, pelo seu próprio comportamento. Mas obviamente que não dá para deixar de notar que muitos dos que agora querem a carcaça de Waack não esboçaram, nem minimamente, a mesma indignação quando um nada saudoso ex-presidente chamou pelotenses de “viados”, ou colegas de partido de “mulheres de grelo duro”, ou que uma de suas assessoras sonhasse com vários policiais federais num quarto ou ainda com um de seus jornalistas financiados, Paulo Henrique Amorim ao se referir a um jornalista negro como tendo “alma branca”. Esta indignação seletiva é que reforça partidarismos em uma questão que deveria ser consensual quanto à inadequação e preconceito expressos.


Anselmo Heidrich

domingo, novembro 12, 2017

"Não Culpe o Capitalismo" (palestra proferida em 2017 11 07)

Nesta palestra faço uma análise dos conceitos Capitalismo; Socialismo; Comunismo; Democracia, entre outros. A tônica deles se dá pelo seu uso ao longo da História e não, como já fiz em outros momentos, pela visão teórica de alguns pensadores.



segunda-feira, outubro 30, 2017

Blues Creation - Demon & Eleven Children 1971 (full album)

Loucuragem...



Por que “os verdadeiros” liberalismo e socialismo estão errados

Por que “os verdadeiros” liberalismo e socialismo estão errados http://mercadopopular.org/2017/10/politica-publica-utopia-liberalismo/ via @omercadopopular


Adorei este texto. Justamente por adotar esta distinção entre o ideal, o justo e o possível já fui chamado de "social-democrata", "fabiano", "esquerdista enrustido" por muitos de meus pares liberais, quando não de "neocon" mesmo. Mas entender que "crenças baseadas na paixão prestam mau serviço à paixão" é difícil para quem acha que seu Nirvana na Terra está logo ali! E não está... Normalmente, toda mega-teoria (que tenta abarcar tudo em princípios simples) esquece que a realidade social não tem pesos únicos na economia e política, mas muito mais na Cultura e esta é uma nebulosa pouco compreendida. Encontramos alguns estudos em sociologia e antropologia, mas o preconceito de nossos liberais, sobretudo os que tendem a reduzir a realidade ao funcionamento de um Homo economicus não consegue entender porque países como Dinamarca não jogam todo seu estado de bem estar na lata do lixo da história e mesmo países cada vez mais liberais como a Nova Zelância acabam de aprovar uma medida restritiva contra imigrantes, o que parece ser uma medida essencialmente anti-liberal... Há muito mais nuances entre o céu e a terra que nossa vã ignorância cultural possa nos fazer crer. Entre tantos acertos, a visão quantitativa sobre a liberdade que nos passa o texto é a mais acertada possível, pois só assim que se pode avançar (ou detectar estagnação) em liberdades pessoais. De resto, obrigado pela disponibilidade, me interessei e vou procurar conhecer o autor.

Fim do UBER? PLC28 VAI SER VOTADO NO SENADO

Cara... Este é simplesmente o melhor canal de notícias da internet. Vejam só o apanhado e lógica deste garoto...



sexta-feira, outubro 27, 2017

Jout Jout lança copinho para "pessoas"

Jout Jout lança copinho para "pessoas" https://youtu.be/dIbvut7Npxk via @YouTube



Uau! Este vídeo, o primeiro é muito instrutivo porque mostra o nível de insanidade a que somos carregados com o politicamente correto. Apesar de ser uma feminista, com todo aquele papo de "desigualdade entre os sexos", ela percebe (e que isto se espalhe), como a insana ideologia de gênero solapa até mesmo seu discurso político porque se tenta apagar toda base de realidade biológica. E o pior é que o alerta dela não é exagerado, há leis sejam geradas por causa disto. 



quinta-feira, outubro 26, 2017

O que é o Capitalismo de Estado: Brasil e Argentina


Criticar o comunismo em contraposição ao capitalismo, como este sendo essencialmente melhor é fácil, mas também incompleto, pois comunismo é um regime de governo e capitalismo, um sistema econômico. Ocorre que sob o comunismo, a estatização total dos meios de produção que se convencionou chamar socialismo prima pelo gigantismo de estado, ou maior intervencionismo que qualquer forma de expressão já realizada dentro do capitalismo. E aí reside um erro comum aos nossos direitistas que, no afã de justificarem a reação ocorrida aos movimentos comunistas do pós-guerra na América Latina acabam por defender ditaduras.
Obviamente que nenhuma ditadura pode ser justificada, mesmo que em nome de uma resistência à comunização. Não se pode utilizar qualquer meio para atingir um fim, mesmo que este fim seja algo melhor do que a situação pretérita. Aliás, quem faz este tipo de relativização moral é justamente quem põe os fins acima dos meios, como os militantes comunistas têm sido notórios.
Já que se fala muito de “capitalismo” quando se expõe uma crítica ao comunismo, convém lembrar que não se trata de defender o capitalismo em toda suas formas diversas, em absoluto. Há configurações tomadas por sociedades capitalistas que são tão ineficazes produtivamente que têm como efeito trazer o risco de que movimentos de extrema-esquerda tragam ideias ultrapassados do séc. XIX, as quais só trouxeram miséria e caos no séc. XX de volta ao cenário político. E o imenso peso da burocracia dos estados latino-americanos é uma dessas mazelas e germes que levam ao parasitismo social e sentimento de injustiça. Embora muitas vezes desfocado, tal parasitismo social vira objetivo de toda uma cultura (observem nossa obsessão por concursos públicos), apontando para falsos inimigos – falsas bandeiras -. como o mito do “capitalista explorador”, sem nunca se perguntar que exploração é esta? Ao mesmo tempo em que se ocultam as ligações de alguns empresários privilegiados com a estrutura de estado.

Argentina 01 - estrutura de estado
As gigantescas e confusas estruturas de estados latino-americanos dificultam o desenvolvimento econômico e nunca foram consideradas um problema central para a maioria de seus governos.

A saúde financeira da sociedade depende de um equilíbrio fiscal. É insano achar que se pode manter gastos elevados permanentemente além das receitas. No plano externo, se a balança de pagamentos não é positiva, a balança comercial deve compensar este desequilíbrio. Agora imaginemos um país como a Argentina, cuja sociedade se vê fechada, econômica e politicamente, em prol de uma “casta de farda” (poderia ser qualquer uma, com ou sem farda, mas igualmente “casta”), o que poderá atrair como investimento? Nada de sustentável. A menor ameaça de prejuízo, o estado-sócio de empresas privilegiadas fará de tudo para socorrê-las. Então, sobram as exportações, mas como se o estado tolhe a liberdade econômica e entrada de investimentos? O resultado é óbvio:

Argentina 02 - exportações sobre o total mundial
As quedas na taxa de exportações argentinas mostram o resultado de um estado, cuja economia se fechou em si mesma ignorando completamente a evolução da economia mundial.

A imagem abaixo é uma das mais ilustrativas para o que queremos demonstrar. A Argentina, tida como país rico até o início do século XX foi um doa países que mais decaiu (relativamente) em renda em relação aos países com status econômicos similares no mundo. O que isto prova para nós? Duas coisas:
(1) que não basta ser um país capitalista para atingir o sucesso econômico de uma sociedade, mas um conjunto de fatores que são capitalistas devem ser devidamente calibrados para garantir o desenvolvimento e prosperidade;
(2) as política populistas ou ditatoriais não são exclusividade de sociedades capitalistas podendo existir em outros tipos de governos (onde são mais comuns, aliás), mas que quando adotadas em sociedades capitalistas, a mera existência da propriedade privada por si só não é garantia nem antídoto ao subdesenvolvimento.
Se não ficou claro, quando falarem em “capitalismo” definam que tipo de capitalismo está sob crítica para não incorrerem em nenhum tipo de desonestidade intelectual.

Argentina 03 - vs Austrália vs Canadá
Países capitalistas também se esmeraram em estagnar suas economias, mas o fizeram quando se afastaram dos princípios da economia de mercado e adotaram políticas intervencionistas, como foi a Argentina de Perón.

Exemplos não faltam… Quem já não se deparou com aquele discurso automático associando Capitalismo ao Liberalismo como se tudo que funciona mal no capitalismo (e há muita coisa mesmo) é devido ao liberalismo? Como se este tivesse sido uma ideologia fortemente compartilhada por capitalistas em algum momento da história do país… Vejamos aqui, claramente, como um banco público, ou seja, recursos de todos nós serve para locupletar uma elite associada à burocracia estatal formando um verdadeiro conluio anti-liberal ou o que se convencionou chamar Capitalismo de Estado:

Brasil 01 - BNDES
Qual o sentido de criar um banco público, com recursos captados de toda população, majoritariamente pobre para beneficiar grandes grupos com seus empréstimos vultuosos?

Espero que tenha ficado claro que não há um estado de coisas absoluto chamado capitalismo que seja totalmente diferente do socialismo. Há graus de intervenção estatal que podem trazer as mesmas amarras administrativas do socialismo ao capitalismo, só que por outras vias, não revolucionárias. Portanto, o verdadeiro inimigo do modelo econômico socialismo e, por extensão, da ditadura comunista não é o capitalismo, mas sim o liberalismo, cujos princípios correspondem a ação econômica, mas de modo abrangente devem sustentar a política e a cultura, sem as quais, o intervencionismo retorna por outras vias.
Anselmo Heidrich

O que é comunismo - Desenho animado (What's communism?)

terça-feira, outubro 24, 2017

Alckmin, Doria, Ideologia e Oportunismo

Via @estadao: Liberalismo puro é a incivilização, diz Alckmin -  http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,liberalismo-puro-e-a-incivilizacao-diz-alckmin,70002057176

Dizer que Geraldo Alckmin é de Esquerda tem a mesma "veracidade" que ver em João Doria, uma espécie de arauto liberal. Não faz muito tempo, esses dois lançaram loas à Che Guevara que, mesmo que tivessem algum pendor à Esquerda, não fariam homenagens a um bandido e psicopata. A ação de Geraldo Alckmin é clara, como João Doria o teria traído e buscado apoio para se candidatar à presidência e o MBL - Movimento Brasil Livre já se posicionou a seu favor (embora também haja acenos para Jair Messias Bolsonaro), mas também revelou em áudio vazado para a revista piauí seu desgosto, para dizer o mínimo, com a ala da esquerda jovem do PSDB, Geraldo Alckmin viu como caminho naturalmente formado, graças à falta de cautela dos agentes aí envolvidos, a cria política e o movimento supracitado. Quanto à questão em si é claro que Alckmin não sabe o que fala e está totalmente errado, mas ele não o diz por convicção, mas por mero oportunismo.