Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




sábado, dezembro 20, 2014

Meritocracia - 01

O erro da charge do topo do tópico é analisar um conceito oriundo da administração - meritocracia - para a sociedade como um todo. É como comparar quem bate mais pesado, um peso pena ou um peso pesado ou, adversamente, quem é o mais ágil. Claro que o ideal seria que concorressem de igual para igual, mas este pressuposto 'igual' significa que tenham pontos de partida similares. Para que se reduza a vantagem da largada nesta corrida, não temos que aproximar todos os corredores em um determinado ponto fictício na linha de tempo, mas permitir a criação de vários, inúmeros traçados com atalhos, ruas asfaltadas, avenidas, metrôs, caminhos de terra, trilhas para que cada um encontre o seu método, único ou inter-modal, não importa. Um "sistema liberal" não é e nunca vai ser um sistema tecnocrático com todas as chances distribuídas de modo equânime, mas um sistema em que o critério de justiça se paute também na possibilidade de criar meios de superar as aparentes injustiças que se formam na sociedade. O que não se pode admitir é que em nome da "justiça social" todos que tenham chance de se desenvolver sejam obrigados a se igualar na mediocridade. Se há um grande potencial mal aproveitado no ensino público, então ao invés de investir mais a fundo perdido no ensino público tem é que se permitir meios de desenvolvimento em outras modalidades mais eficazes, seja no ensino privado, seja em casa, seja em cursos livres etc., com o pressuposto da flexibilização das avaliações para obtenção de qualificação para trabalho e ainda, pensando de modo mais abrangente, até eliminar a necessidade burocrática de certas qualificações em nome da demanda e jugo do mercado, que é no fundo, a verdadeira avaliação.

O que Jair Bolsonaro diz



E nossa "mídia não opinativa" faz ouvidos moucos. Hipócritas...

quarta-feira, dezembro 10, 2014

O que Maria do Rosário verdadeiramente é


A duplicidade ética da esquerda brasileira dá embrulhos no estômago. Nossa ex-Ministra da Secretaria dos Direitos Humanos não foca em um aliado de seu partido que, explicitamente, se expressou condescendentemente sobre o estupro.

E aí Maria do Rosário, por que não processa esse aí? Ah, esqueci... É da base de apoio do governo, do teu partido, né? Aí fica complicado. Sabe, o Bolsonaro errou em te chamar de "vagabunda", o que tu é, é uma hipócrita mesmo. Além disto uma totalitária que tenta reprimir qualquer opinião diversa da tua. Processe o deputado, pois na verdade não conseguirá fazer com milhões que sentem asco desta auto-vitimização e jogo de cena para eliminá-lo da cena política. Vocês não são vagabundos, mas ainda não são tão eficientes quanto pensam que são para acabar com a democracia.

Estamos atentos.

segunda-feira, dezembro 08, 2014

Thomas Piketty: da crítica à desigualdade para a solução liberal


Bicho-papão? Confesso que fiquei surpreso e, além de críticas certeiras sobre o fisco brasileiro, sua indagação final é objetiva, que tipo de desenvolvimento queremos, o do welfare ou mais liberal? Veja que digo "mais" porque não existe esta besteira de "sem estado". E antes que venham dizendo bobagens, saibam que a Suécia é mais liberal que nosso país, apenas diferentemente sabe gerir recursos públicos. Se discute o direcionamento destes até em nível municipal. Não falo de lei não, mas de debates anuais no legislativo. No entanto, apesar disto, não acredito em welfare state no Brasil, não no próximo século, pois nossa estrutura estatal é viciada. Então, por pragmatismo, mais do que por princípio, o liberalismo econômico nos é mais apropriado. 

a.h


domingo, dezembro 07, 2014

Mérito, fomento e dependência


Se o incentivo não apropriado cria dependentes, como na 2ª figura, a régua inapropriada perpetua injustiças, como na 1ª, já na forma ideal, cada um de acordo com suas capacidades, aptidões e, sobretudo, vontade consegue meios de se desenvolver. 

Em Meritocracia - sim ou não?, o autor questiona a ideia de meritocracia e, em alguns pontos ele tem mesmo razão, não dá para aplicá-la em tudo na vida como querem alguns liberais radicais, como, por exemplo, entre crianças que não tiveram sequer oportunidade de ensino mínima com quem nasceu em berço de ouro e contou desde cedo com ensino de boa qualidade. Mas, o que eu discordo do texto, se bem me lembro é que a meritocracia enquanto conceito aplicado se refere sobretudo ao mundo empresarial. É aí que ela se faz efetiva, para não acomodar o setor produtivo buscando sempre melhores resultados e inovações. Para este Brasil que se acostumou com "bolsa-isso", "bolsa-aquilo" e não é só o Bolsa-Família, mas o "Bolsa-Empresário" que é o que faz o BNDES... A tão desejada competição no mercado livre não ocorre. Não vejo, p.ex., meritocracia para valer nas empresas de telefonia que além de serem poucas trabalham com mercados fechados para elas. Idem para nossas ridículas montadoras automobilísticas e assim vai. Agora, em teoria eu acho o seguinte... Vamos comparar com um time de futebol ou qualquer outra coisa, o valor individual do jogador permanece válido e desejado, quem não quer ter no seu time um puta artilheiro, um verdadeiro matador? Claro! Mas todos nós sabemos que sozinho em campo ou sem parceria ele não vale merda nenhuma. Então, temos que ter time, mas time com garra comum, um coletivo com harmonia e estratégia de um líder. Aí então não é só a meritocracia que torna o time um caso de sucesso, mas a cooperação e a liderança. Se me entendeu bem, o que penso que deveria ser estruturado no poder político e setor público (porque já existe no mundo empresarial) são:

1. Liderança

2. Cooperação

3. Mérito individual

Trabalhando em conjunto. Ou seja, não é só o mérito individual do liberal, nem só a cooperação do socialista, nem só a liderança do pensamento autoritário, mas uma sincronia dos três para a máquina funcionar, no nosso caso, para a sociedade funcionar.

Penso mais ou menos assim. Ao contrário de muitos colegas, eu desejo um estado forte, mas isto não quer dizer um estado inchado. 

Bestas, golpistas e covardes



Não é justo atribuir à massa de manifestantes em várias cidades brasileiras pelo impeachment da presidente a pecha de 'golpista', mas eu concordo com o comentarista em criticar e chamar de 'besta' o saudosista do Golpe Militar. Claro que tem que se entender em que contexto ele ocorreu, mas cá entre nós, em termos práticos, a economia dirigida pelos militares foi um primor de estatismo de causar inveja ao mais histérico dos militantes comunistas, aquele personagem odiado justamente pelos manifestantes atuais. Então, se não há clareza de que rumo tomar, de que princípios defender e de que condições se pautar, corremos o risco, sério, de sermos reféns de uma Teoria da Ferradura, para a qual a extrema-direita não passa de uma contraparte da extrema-esquerda com clichês, refrões e ícones distintos, mas com métodos e práxis odiosamente iguais. Não sei se são só bestas, patetas ou covardes que inflamam as massas para depois se recolherem a sua segurança atrás de seus teclados raivosos...

Cf.: Roberto Pompeu de Toledo: ‘Caro Golpista’http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/opiniao-2/roberto-pompeu-de-toledo-caro-golpista/

sábado, dezembro 06, 2014

Novo colunista da Veja sabe criticar



Ele sabe escrever e seu estilo é como tapa com luva de pelica, diferente de outros com estilo barraqueiro. Além do conhecimento que ele nos traz, de modo direto e sintético, o que eu também gosto em seus livros é uma provocação indireta... Já vi professores de história criticarem-no por "não ser da área", "não ter credibilidade" e outras bobagens similares. Ora, desde quando o que importa é o mensageiro e não a mensagem? Se estes professores se acham melhores, então que façam algo melhor! Por que não o fazem? Ou será que estão com inveja porque a linguagem hermética que adotam e o manancial de referências apenas esconde sua incompetência em mostrar o mesmo velho passado histórico sob uma perspectiva nova?


Cf.: País rico é país sem pobreza? http://veja.abril.com.br/blog/cacador-de-mitos/2014/12/04/pais-rico-e-pais-sem-pobreza/

Mas cá entre nós... Aproveitar o copo de requeijão e secar a roupa atrás da geladeira é muito funcional.


sexta-feira, novembro 07, 2014

Classificação política e falta de objetividade


Sobre esquerdas e direitas – O Diagrama Scar http://t.co/UeHz8Yonok


A questão de que a chamada direita atual ter sido a esquerda do passado, séculos atrás está correta, assim como a caracterização da evolução subsequente. Neste sentido, o artigo é rico e bastante informativo. Como relatado, lá pelos idos do séc. XIX, ainda existia quem defendia a monarquia contra a democracia. Estes eram os direitistas de então, mas... Veja que ele não cita esta palavra, Democracia, sua análise está totalmente centrada no Capitalismo e esta é uma falha. 

Os anarco-capitalistas -- ancaps --, autoproclamados 'libertários' que estariam na extrema direita para ele seriam a favor da liberdade total, totalmente pelas vias do mercado livre, mas atente que sendo assim, discordam da democracia como meio de regulação. E os comunistas na extrema esquerda também não ligariam para ela, a democracia. Deste ponto de vista, quando o poder individual ou, na oposição, o coletivo descartam a negociação e equilíbrio de aceitar pontos divergentes para manutenção da ordem, de meu ponto de vista, não estão separados, mas próximos. Então, eu trocaria o Diagrama Scar, que ele propõe por outro, uma ferradura. Que aliás, não é ideia minha... Conferir aqui a Teoria da Ferradura (Horseshoe Theory). Os extremos, anarco-capitalistas e comunistas descartam a negociação e se tornam autoritários, um para o indivíduo e outro para o coletivo. Adicionaria aí também o detalhe que a extrema esquerda também sempre foi lembrada pelo movimento anarquista que, antes dos ancaps era tido como essencialmente de esquerda. Estes rótulos enfim, cansam porque estão sujeitos a interpretações diversas -- quem os define, define como lhe convém e fica nítido que o autor, Scar, tem uma queda pelo liberalismo. Nada condenável, aliás, pois também tenho, mas se tem que assumir este dado e não tratá-lo como se fosse objetivo e imune a nossa subjetividade na escolha. Por exemplo, já ouvi um liberal dizer que a social-democracia (se referindo aos nórdicos europeus) "não dá certo"... Patético, tanto "não dá certo" que existe há décadas. E outro erro é tomar o que eles definem como "socialismo" como algo socialista na teoria de Marx. É bem diferente. A propósito, a Nova Zelândia, um país que prima pelas excelentes avaliações em rankings de liberdade econômica foi colonizada por imigrantes trabalhistas e socialistas. Quem diria...

Então mais cuidado e cuidado especialmente ao definirmos o que é algo a partir de um simples nome, pois este pode não significar aquilo que uma velha teoria queira nos dizer. E sim, não sou isento, eu critico o teor do artigo porque discordo que possamos construir uma ordem duradoura sem democracia e senti a ausência do termo no mesmo. 

Mesmo que se diga que a democracia não define um sistema econômico por inteiro (o que é verdade), também é verdade que enfatizar a dicotomia Capitalismo v. Socialismo é por demais pobre... Eu prefiro discutir "Sistema Social" e aí não entra somente o modo como a propriedade é regulada, mas também a cultura e sua organização jurídica. Importante porque há países, regiões, estados (em fortes federações) ou até cidades e condados nos quais se pode ter razoável ou forte liberdade econômica sem paridade na liberdade política (Singapura, p.ex.), embora o contrário seja difícil. 

Enfim, eu endosso o liberalismo e me defino como liberal, mas sem os arroubos e delírios anarco-capitalistas ou anarquistas, cujo ódio e preconceito contra tudo que enseja a palavra estado não conseguiram construir nada melhor do que sociedades clânicas (como a Somália) e chegam ao absurdo de dizer que na monarquia se tinha maior justiça econômica que na democracia. Claro que sim, para o senhor feudal...

Dizem que o espaço é curvo. Talvez o espectro ideológico político também não fuja disto e necessitemos de uma revolução epistemológica na ciência social...


Foro fora de foco - 2


Analogamente, as pessoas também costumam acreditar em qualquer bobagem conspiratória quando se envolve entidades mundiais dotadas de supostos poderes ocultos. Quanto mais fabulosa a teoria, mais verossímil parece seu poder e eficácia. O mundo, realmente, é composto por uma maioria manipulável porque ela simplesmente adora o sobrenatural.

O Foro de S. Paulo existe? As suas atas estão aí para provar, mas não se trata disto. Trata-se, isto sim, se ele teria a efetividade alegada. E não a tem.

E vejam se entendem o que é escrito... Isto não significa que atos e decisões políticas em direção ao totalitarismo não sejam, ou não tenham sido tomadas no Brasil. Marco Civil da Internet, a tentativa de um Estatuto da Imprensa, a tentativa de nivelar "Conselhos Populares" em detrimento da Democracia Representativa (a única democracia) etc. são provas de que SIM, sim, estamos em um caminho ameaçador e aterrorizante, MAS -- LEIAM E ENTENDAM A DIFERENÇA --, isto difere totalmente da presunção de que tenham sido criados, dirigidos e/ou fomentados a partir do exterior, fosse por uma URSS ou pelo atual Foro. Isto é superestimá-lo e criar um espantalho. Na medida -- LEIAM -- que não avaliamos corretamente suas causas, daí sim, daí sim é que nos tornamos reféns do fenômeno porque não sabemos contra o que, nem quando e nem como lutarmos direito. É um processo muito descentralizado -- ao contrário de que uma organização o dirija -- e, por isto mesmo, se torna mais difícil, mas nem por isto impossível de combater. Nos anos 50, a Conferência de Bandung na Indonésia foi um "foro em escala mundial" e deu com os burros n'água. Agora, qual é o fator de sucesso da atual esquerda mundial? Ela não obedece um guru ou cúpula, mas ideias dispersas que se conectam. Ou seja, quando derrotamos um grupo, outro surge como cogumelo em seu lugar, por isto se trata sim de uma guerra cultural na qual temos que destronar suas ideias. Mas como fazer quando nossa direita (oh! direita não!) está dividida em frescurites?! Assim sendo, vocês merecem ser dominados porque são fracos e desarticulados. Minha avaliação senhores, não é moral, mas estratégica e funcional. Ou vocês tomam prumo ou podem tomar.... Ki-Suco para refrescar a cabeça.



quarta-feira, novembro 05, 2014

Educação Brasileira - 01


Segundo dados obtidos em 2012. Dá para ver que algumas informações são controversas, como o alto índice de aprovação, de mais de 77%. Ora, como são feitas estas aprovações, com a malfadada Progressão Continuada, mais conhecida como "aprovação automática"?

Clique para ampliar. Fonte do infográfico: Os principais problemas nas cidades (UOL/Eleições)

terça-feira, novembro 04, 2014

Sobre Janer Cristaldo


Adeus, amigo[i]

Eu conheci o Janer num jantar na casa de um dos colegas articulistas do MSM. Depois intensificamos a troca de mensagens através das antigas comunidades do Orkut, quando me divertia com as provocações que ele destinava a turma de fanáticos religiosos. Não só estes, mas preferencialmente estes. Mais tarde passei a frequentar bares e restaurantes com o Janer, com conversas muito agradáveis. Às vezes saia algo dali para a tela do computador. E eu sabia muito pouco da vida do Janer, exceto pelo que ele escrevia ou comentava conosco por alto. Então eu era um amigo que lhe encontrava episodicamente e ultimamente sempre que ia a S.Paulo após me mudar para Florianópolis. Desnecessário dizer quanto prazer obtive lendo teu pai e o quanto aprendi. Como também já se tornou comum dizer, não concordávamos sobre tudo, mas o que discordávamos (e no meu caso era mais a música ou como encará-la), não havia diferenças substanciais, menos sobre objetos do que por condutas. O Janer fugia de sectários, como até garotos de visão liberal bastante lúcida, mas amarrada demais que tentaram aliciá-lo ideologicamente. Enfim, eu já sabia e tinha visitado duas vezes nos últimos meses, de seu estado de saúde. Eu costumo apostar na permanência e justifico que poderia viver bastante ainda em estado crítico se pudesse ler e escrever. E justamente por causa disto, conhecendo teu pai, imagino só o tormento que deve ter sido estes últimos dias para um homem que vivia isso. Que vivia a liberdade de expressão e a comunicação escrita. O amor que ele nutria por sua ex, pela festa e alegria com seus amigos, pelas viagens, pelas lembranças, pelo aprendizado e vivência nos colégios de padres, por mais paradoxal que fosse, pelos pagos de Martín Fierro, pela literatura que ora desdenhava, pela precisão de quem se baseou no direito e leis, pela força e vigor teórico proporcionado pela filosofia, pelo profundo conhecimento de história e humildade em achar que não era especialista, em sua paixão por conhecer e aprender outras culturas, pelo pago da fronteira, por Estocolmo, Paris e, sobretudo, Madri. Uma pena que não conheceu a Austrália, que indico fortemente, mas pelo menos foi para a Irlanda, que recomendei. Embora talvez nem lembre de que eu tenha sugerido. Enfim, como disse um amigo em comum:

"Certamente, é o tipo de pessoa que há quem goste e uma minoria que não goste dele, mas não há quem o despreze. É a mais nobre avaliação que se pode fazer de uma pessoa."

E eu não poderia deixar de dizer a ti como ele te amava. Parecia um pai bobão (como eu sou um) que se gaba de cada detalhe do filho(a), do tropeço, da caminhada, do emprego, do sucesso, de que aprendeu etc.

Enfim, vou me lembrar muito dele como certa vez comentando sobre fanáticos irados nos ameaçando no Orkut, eu disse "vocês se estressam a toa com o Janer, ele está lá na frente do computador levantando uma taça de vinho enquanto que dá um sorrisinho de satisfação", ao que ele me respondeu "ah Anselmo! Como tu me conhece tanto assim?" Pois é, não tanto, mas o suficiente para saber o que te move e apaixona.

Adeus amigo e um abraço, Isadora Pamplona. Levante a cabeça, te erga que a vida deste cara foi uma que valeu a pena.

Anselmo Heidrich





[i] Mensagem enviada a sua filha no dia 29, cerca de dois dias após sua morte.

sábado, outubro 25, 2014

quinta-feira, outubro 16, 2014

Porque o PT é um lixo

Acessem, leiam e repassem sem dó:

Tomatadas: Números provam que PT é um lixo: Assim como em outras eleições, andam circulando pela internet textos segundo os quais as estatísticas econômicas e sociais provariam que os...
...

Casos que corroboram a análise da matéria citada:

- Efeitos de aparelhamento de órgãos públicos

Portal Nacional - Valor: Funcionários do Ipea pedem exoneração ao discordarem de veto à divulgação de estudos http://portal.pps.org.br/portal/showData/271952#.VEmwZPdgKBs.twitter

quarta-feira, outubro 15, 2014

Onde o Brasil dá certo - 01



REVOLUÇÃO NO CAMPO
Por Ronaldo Ribeiro Fotos de Izan Petterle 

O piloto Índio do Brasil (sim, é esse seu nome de batismo) é um sobrevivente. Aviador tarimbado de garimpos e fazendas na inquieta fronteira do Mato Grosso com a Bolívia, ele já saiu ileso de vários pousos forçados em pastos e estradas, mas um grave acidente de carro deixou-o manco, com uma defasagem de 7 centímetros na perna direita. Como eu nunca fui muito amigo de vôos em aviões pequenos, suspirei aliviado quando Índio aterrissou suavemente seu monomotor Regente L-42 numa pista de terra a 2 quilômetros do centro de Sapezal. Havia sido um passeio revelador. Em meia hora no ar, entendemos mais sobre a região do que em dois dias anteriores no chão - de onde confronta-se com uma monotonia cênica irritante, uma topografia tão plana que permite à vista perder-se no horizonte, quilômetros além, sem uma única referência que não seja o tapete baixo e uniforme das lavouras. Do alto, porém, Sapezal é simétrica, atraente: um tabuleiro de xadrez onde avizinham-se o ocre da soja madura, o verde-claro do milho novo e o tom escuro do algodão entrecortado por longas estradinhas rurais, as chamadas "linhas". Plantações e mais plantações, verde e mais verde, dinheiro e mais dinheiro. 

A cidadezinha, que completa meros dez anos, é um fenômeno: inteiramente planejada, tem educação e saúde pública de alta qualidade, saneamento básico e água tratada em todas as casas, rede de telefonia com cabos de fibra óptica e programas sociais como a distribuição de leite de soja para os moradores. Já está entre as dez maiores arrecadadoras de impostos do estado e atingiu a incrível renda per capita de 25 mil dólares - mais de oito vezes a média nacional -, fruto de negócios que movimentam centenas de milhões de reais por ano. O megaprodutor Fernando Maggi lembra-se bem do dia, anos atrás, em que enviou pela internet para a Bolsa de Produtos Agrícolas de Chicago uma foto aérea de 42 colheitadeiras novas em ação, alinhadas numa lavoura de soja, um verdadeiro exército de produtividade. A bolsa de Chicago é o termômetro do mercado mundial de grãos. Segundo ele, a imagem serviu para balançar as cotações. "Naquela tarde, eles souberam onde fica o Mato Grosso", diverte-se ele. 

Os vastos planaltos que se abrem ao redor de municípios como Sapezal, Campo Novo do Parecis, Sorriso e Lucas do Rio Verde abrigam hoje as maiores áreas cultivadas contínuas de soja do planeta. Com tecnologia de ponta e sementes especiais, e aproveitando-se das terras planas e das chuvas regulares, imigrantes sulistas criaram um modelo de agricultura que, em 20 anos, garante ao Mato Grosso mais de 10 milhões de toneladas de soja por safra - apesar de uma quebra em 2004. No total, o país colhe mais de 50 milhões, menos apenas do que os Estados Unidos. Mas, enquanto as áreas agrícolas americanas estão todas ocupadas, no Brasil restam milhões de hectares com condições de cultivo, que poderão transformar o cerrado numa vasta lavoura, e até irromper na floresta, numa tendência que vem deixando os ambientalistas de cabelos brancos - ao expandir fronteiras no campo, o Mato Grosso liderou o ranking do desmatamento da Amazônia Legal em 2003. 

Sapezal é o exemplo mais cintilante dessa revolução: uma cidade que brotou do nada, longe de tudo, fruto da obstinação de um punhado de pioneiros que desbravaram a chapada dos Parecis no fim dos anos 1970. Naquela época, a região ficava a uma distância imensa de qualquer indício de civilização - o banco ou o supermercado mais próximo estavam em Tangará da Serra, a 300 quilômetros ou um dia de viagem dali. O destino só começou a mudar em 1984, com a chegada do gaúcho André Maggi, um imigrante com determinação e recursos suficientes para idealizar uma cidade que pudesse favorecer a presença de novos empreendedores. Toda a área urbana foi traçada sobre parte do que antes era uma fazenda de André. Por volta de 1987, ele loteou terras, abriu ruas, plantou árvores e construiu a escola, a usina hidrelétrica, a delegacia, o hospital, a praça central. 

Custou caro, quase 10 milhões de dólares, mas foi um bom negócio. A usina até hoje vende energia para o município e os Maggi consolidaram-se como a potência do agrobusiness local - o valor investido na época equivale a um quadragésimo do faturamento do grupo em 2003. Mais: ainda hoje, entrar e sair de Sapezal tem sido um drama, com o caminho mais curto para os portos de Santos e de Paranaguá, a MT-235, que corta ao meio a terra dos índios parecis, ora sendo assolado por atoleiros dignos da Transamazônica, ora sendo bloqueado por nuvens sufocantes de poeira. A única via de asfalto segue em outra direção, para Rondônia e o rio Madeira, em Porto Velho, onde os Maggi projetaram uma hidrovia que culmina em Belém e no Atlântico. A criação desse atalho exclusivo para os mercados do Pacífico foi a grande cartada de Blairo Maggi, o maior plantador individual de soja do mundo - só em Sapezal, tem 40 mil hectares - e governador, pelo PPS, de um estado que administra com pulso firme de empresário. Uma cidade tão nova tem lá suas curiosidades, como o fato de os únicos autênticos cidadãos sapezalenses serem as crianças nascidas após 19 de setembro de 1994, a data oficial da emancipação. Os infortúnios vividos por seus pais nos primeiros tempos ficaram apenas no papel, literalmente, como assunto das aulas na exemplar escola municipal de primeiro grau. Os 2,4 mil estudantes contam com cartão magnético para controle de freqüência, revezam-se em salas temáticas para cada disciplina e lidam com questões sociais e ambientais (como tratamento de lixo e agricultura orgânica) em seus trabalhos. Em outro turno, dispõem de atividades como dança, artes marciais e informática. "Há um mundo de oportunidades aqui, mas precisamos de mão-de-obra qualificada, formar uma nova geração", diz a secretária de Educação, Ilma Grisoste Barbosa. 

Os bons ventos da fortuna fácil, entretanto, começam a atrair à cidade sonhadores sem nenhuma especialização, uma gente capaz de fantasiar riqueza tanto num garimpo de ouro quanto na construção civil das metrópoles. Como resultado, pequenos guetos de pobreza já pipocam aqui e ali, e na ensolarada manhã de março em que visitei essas áreas o Diário de Sapezal publicava uma página inteira com as ocorrências policiais do último fim de semana, entre elas duas brigas de faca e um bar destruído por um bêbado, inconformado com a derrota numa partida de bilhar. "A cidade rapidamente vai deixando de ser uma bolha privada de prosperidade e paz. A cada ano integra-se mais ao estado, e isso tem seus aspectos bons e ruins", analisa o administrador Gustavo Petterle, ex-secretário de Saúde. 

A odisséia das cidades sojicultoras parece renovar a vocação do Mato Grosso como um território de destemidos, onde a conquista do sucesso sempre esteve acompanhada de desafios. Relatos de árduas jornadas pela região destacam o então coronel Cândido Mariano Rondon, que pisou em território pareci em 1907, fincando postes para uma linha de telégrafos que ligaria Cuiabá ao Amazonas. O sertanista escapou por pouco de morrer por uma flecha envenenada dos nambiquaras, então selvagens, mas não desistiu. Na margem esquerda do rio Papagaio, a 100 quilômetros do ponto onde hoje está Sapezal, Rondon inaugurou, um ano depois, uma subestação telegráfica na aldeia de Utiariti, que já era referência entre os raros exploradores por causa de uma espetacular cachoeira nos arredores, com 92 metros de queda. 

Eu ouço essas histórias sentado sob uma das duas centenárias mangueiras plantadas pelo próprio Rondon, que garantem sombra para as poucas famílias que vivem agora na aldeia. A calmaria contrasta com tempos de outrora, nos anos 1940, quando seringais geraram prosperidade e outros grupos indígenas, como os manokis, aglutinaram-se na área, ao redor de uma missão jesuítica que persistiu até 1985. "Foi um período de amparo e organização para a agricultura. Com a chegada dos sulistas, muitas tribos, receosas, passaram a viver ali", diz Nivaldo Bertotto, historiador autodidata de Sapezal. "A missão acabou para que todos voltassem para suas terras." 

Resguardados em suas reservas, parecis e nambiquaras mantêm roças esparsas de subsistência, caçam e pescam ocasionalmente e contam com uma bolsa em dinheiro, paga pela prefeitura. Essa rotina de parcos recursos e longas horas de ócio alimenta um dilema antropológico. Os índios espiam além de seu quintal e se assombram com a bonança dos vizinhos agricultores, donos de colheitadeiras de última geração (com CD player, sistema GPS, ar-condicionado e água gelada), camionetes importadas, internet via satélite e invejáveis moradias (a nova sede da fazenda de um deles, com projeto arquitetônico assinado pelo próprio, é uma mansão em estilo rústico com 11 suítes e uma cachoeira artificial). E, é óbvio, querem o mesmo para si - principalmente porque, no papel, são os maiores donos de terra do município. "Os parecis têm 300 anos de contato, estão totalmente aculturados. E são nativos desse território de tantas riquezas. Então, é natural que queiram ter o melhor dos dois mundos", diz Margarete Valentin, coordenadora de um programa de educação indígena. Alguns índios, com equipamentos emprestados, deram o primeiro passo: na aldeia Três Jacu, consta que 112 hectares já estão abertos com soja. 

Em tese, a perspectiva é preocupante. A soja tem-se revelado viável economicamente enquanto monocultura extensiva, com cultivo mecanizado e largo uso de defensivos agrícolas - proibidos em terras indígenas. O uso das reservas para lavouras comerciais poria em risco o que restou da vegetação original, um cerrado com matas altas na transição com a floresta Amazônica, e ameaçaria de vez grandes rios como o Arinos e o Juruena, formadores da bacia Amazônica. "Uma vez, ouvi um índio dizer que eles não podem pagar sozinhos o preço pela preservação da natureza. E que não é nosso direito obrigá-los a viver a sociedade que nós idealizamos, em termos ambientais e sociais, mas que nunca conseguimos realizar", retrata a educadora Helen Cristina de Souza, da Universidade do Mato Grosso. "Me assusta a terra indígena cheia de soja ou algodão, mas também me assusta a deslealdade do atual modelo." 

É uma questão emblemática, que Sapezal vai ter de resolver com a mesma agilidade que tem sido o motor da sua história. Enquanto esteve lá, André Maggi tratou tudo e todos com indistinto paternalismo, mas, depois da sua morte, em 2001, o município percebeu que teria de seguir adiante com as próprias pernas. Se deseja fazer jus a seu potencial, vai ter de conciliar desenvolvimento com equilíbrio social (evitando a demasiada concentração de renda) e ambiental (às vezes fica difícil respirar ali, por causa do fedor dos agrotóxicos lançados por aviões agrícolas nos arredores). "A cidade cresceu em dez anos o que outras no Mato Grosso não conseguiram em 100, 200 anos. Mas quem pode garantir se a agricultura é mesmo o futuro?", admite o prefeito, Aldir Schneider, também plantador de soja. 

Sapezal é uma cidade em formação, com a poeira vermelha do cerrado ainda se assentando sobre suas 40 ruas - quase todas batizadas com nomes de peixe, curiosamente. O milagre das súbitas conquistas está nas lavouras sem-fim, sobretudo nas que prosperam as vagens viçosas de soja. Fenômeno moderno, dinâmico, Sapezal paira à mercê de mercados internacionais, negócios globalizantes e demandas alimentares - expressões que soam exóticas em meio à lonjura e ao isolamento da chapada dos Parecis. Se o grãozinho permanecer em alta conta, a cidade talvez se projete como uma sucursal da Suíça, uma bolha de Primeiro Mundo no coração da América do Sul. Mas, se em 20 ou 30 anos novos ciclos de riqueza apontarem em direção contrária, há o risco de se tornar uma Serra Pelada, um Eldorado esquecido no meio do nada, como tantas vezes se viu no Brasil.

[http://nationalgeographic.abril.com.br/edicoes/0405/cep/index.html (link quebrado).]


terça-feira, outubro 14, 2014

Geosites britânicos


A ilha de Staffa nas Hébridas Interiores; suas colunas de basalto formam formas dramáticas incluindo a famosa Gruta de Fingal.

Vale a pena, um deleite para os olhos:
BBC News - Chart-topping rocks: UK's 'Greatest Geosites' announced http://www.bbc.com/news/science-environment-29572008 

O idiota útil - 02


sexta-feira, outubro 10, 2014

Liberais v. Conservadores; Libertários v. Anarcocapitalistas : algumas definições conceituais


Sonho de todo anarcocapitalista: desfrutar da tecnologia que lhe dê liberdade, sem a estrutura social (e jurídica) que proporciona a segurança para tanto (imagem: reddit.com/r/Anarcho_Capitalism/).

Sobre: Liberais, libertários e conservadores, uni-vos
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2014/10/1526258-liberais-libertarios-e-conservadores-uni-vos.shtml

"Conservador" e "liberal" muda muito o conceito de acordo com a realidade em que se insere. A confusão é mais de semântica do que ideológica. "Conservatives", nos EUA e no mundo anglófono em geral é o conservador moral, mas também anti-revolucionário e anti-intervencionista. porque as duas coisas estavam ligadas à Liberdade. O conservador brasileiro é que não tem sentido, se trata de alguém que iria valorizar tudo que causa dano às nossas instituições e sociedade, como o fisiologismo, o clientelismo etc. Então falar em conservadorismo aqui no Brasil, tem que vir entre aspas porque confunde as pessoas. Por outro lado também, 'libertarian' nos EUA corresponde ao nosso liberal, o liberal-econômico europeu, porque 'liberal', (lí-beral) nos EUA é o liberal dos costumes, um progressista que quer mudanças sociais rejeitando o que é mais caro aos anti-estatistas porque tais mudanças deveriam vir via legalista, i.e., com força de lei se necessário (caso das Ações Afirmativas, como as cotas raciais, p.ex.). Eu não gosto de chamar os radicais de 'libertários', pois estes somos nós, defensores do estado mínimo ou minarquistas. Os radicais que apoiam até liberação do comércio de órgãos e privatização da polícia (uma bobagem) são ignorantes em relação às externalidades econômicas negativas (danos causados a outrem indiretamente, poluição etc.). Ocorre que estes "anarquistas de direita" (são como os anarquistas do século XIX, só que defendem a propriedade privada) não compartilham das preocupações sociais e morais dos liberais originais, como Adam Smith, eles acham que a economia resolverá todos os problemas, inclusive os de ordem cultural, moral etc. São, na verdade, "anarco-capitalistas" (ancaps) ou "anarco-liberais". Por isso fica um pouco confuso aqui no Brasil e há diferenças gritantes entre muitos deles em temas controversos, como a percepção de alguns paranoides de que há um "governo mundial" em curso e outros que apoiam explicitamente o enfraquecimento dos estados em prol de comércio internacional livre, como eu. O texto é bom, só não faz o reparo de contextualizar o significado dos termos em diferentes países e culturas.

terça-feira, outubro 07, 2014

O que o PT representa

Um Brasil dividido é o que revela o mapa das eleições para presidência da república de acordo com os municípios. Fonte da imagem: http://t.co/ruiMM3zSe2


O erro é ver o PT como algo ruim por causa de casos envolvendo corrupção. Ele "apenas" se esmerou na ilegalidade, "profissionalizando" a roubalheira. É muito mais do que isto, o lixo que esta agremiação fez ao país está em suas ações legais, porém profundamente aéticas...




    〽UM RESGATE DA HISTÓRIA 〰
🔛1985 -
🔘O PT É CONTRA A ELEIÇÃO DE TANCREDO NEVES E EXPULSA OSDEPUTADOS QUE VOTARAM NELE.

🔛1988 -
🔘O PT VOTA CONTRA A NOVA CONSTITUIÇÃO QUE MUDOU O RUMO DO BRASIL.

🔛1989 -
🔘O PT DEFENDE O NÃO PAGAMENTO DA DÍVIDA BRASILEIRA, O QUETRANSFORMARIA O BRASIL NUM CALOTEIRO MUNDIAL.
🔛1993 -
🔘PRESIDENTE ITAMAR FRANCO CONVOCA TODOS OS PARTIDOS PARA UMGOVERNO DE COALIZÃO PELO BEM DO PAÍS. O PT FOI CONTRA E NÃOPARTICIPOU.

🔛1994 -
🔘O PT VOTA CONTRA O PLANO REAL E DIZ QUE A MEDIDA É ELEITOREIRA.

🔛1996 -
🔘O PT VOTA CONTRA A REELEIÇÃO. HOJE DEFENDE.
🔛1998 -
🔘O PT VOTA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA TELEFONIA, MEDIDA QUE HOJENOS PERMITE TER ACESSO A INTERNET E MAIS DE 150 MILHÕES DE LINHASTELEFÔNICAS..
🔛1999 -
🔘O PT VOTA CONTRA A ADOÇÃO DO CÂMBIO FLUTUANTE.
🔛1999 -
🔘O PT VOTA CONTRA A ADOÇÃO DAS METAS DE INFLAÇÃO.
🔛2000 -
🔘O PT LUTA FEROZMENTE CONTRA A CRIAÇÃO DA LEI DARESPONSABILIDADE FISCAL, QUE OBRIGA OS GOVERNANTES A GASTAREM APENAS OQUE ARRECADAREM, OU SEJA, O ÓBVIO QUE NÃO ERA FEITO NO BRASIL.POR QUE  SERÁ?

🔛2001 -
🔘O PT VOTA CONTRA A CRIAÇÃO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NO GOVERNOFERNANDO HENRIQUE CARDOSO:BOLSA ESCOLA, VALE ALIMENTAÇÃO, VALE GÁS,PETI E OUTRAS BOLSAS SÃO CLASSIFICADAS COMO ESMOLAS ELEITOREIRAS EINSUFICIENTES..

🆘QUASE TODA ESTRUTURA SÓCIO-ECONÔMICA DO BRASIL FOI CONSTRUÍDA NOPERÍODO LISTADO ACIMA.
O PT FOI CONTRA TUDO E CONTRA TODOS.
HOJE ROUBAM TODOS OS AVANÇOS QUE OS OUTROS PARTIDOS PROMOVERAM E POSAMCOMO OS ÚNICOS CONSTRUTORES DE UM PAÍS DEMOCRÁTICO.
JÁ QUE O PT FOI CONTRA TUDO E CONTRA TODOS DESDE A SUA FUNDAÇÃO, FICAUMA PERGUNTA PARA QUE OS LEITORES RESPONDAM:
EM 12 ANOS DE GOVERNO, QUAIS AS REFORMAS QUE O PT PROMOVEU NO BRASILPARA MUDAR O QUE OS SEUS ANTECESSORES DEIXARAM?
👉Lembre-se:❗👇

"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim".
👉Envie para seus contatos.❗
            "Acorda Brasil...

segunda-feira, setembro 29, 2014

Levy Fidelix vs Luciana Genro - Debate Presidencial na Record - 29/09/14




Levy Fidelix vs Luciana Genro - Debate Presidencial na Record - 29/09/14: http://youtu.be/4LxL1xKbbcI via @YouTube


A melhor explicação que já vi para o homossexualismo era que a natureza condicionava um certo número de indivíduos para ser homossexual, com a função de que os machos não brigassem continuamente entre si e preservando assim a estabilidade do grupo. "Melhor explicação", porém falsa... a "Mãe Natureza" não é um ente consciente que sabe o que faz, isto não existe. O que existe são acasos evolutivos, que vez por outra se tornam apropriados para uma situação, como animais menores, menos competitivos de outrora que em uma era de escassez de alimentos como a glacial se tornam bem mais competitivos que os grandes répteis que dominaram nossas superfície. Então, por mais que uma 'função' para o homossexual seja encontrada, nada disto se torna causa de um fenômeno. A causa pode ser natural, devido a variabilidade genética, só que esta tem que ser provada e ainda é mera conjectura. Portanto, a mais plausível é de que este comportamento foi socialmente adquirido. Acredito que ambas as formas existam, mas não dá para crer que uma população de uma cidade estado na antiguidade grega tenha concentrado certos "genes gays" ao passo a que outras não ou que em um prazo de séculos tais genes tenham sumido ou reduzido abruptamente sem ter porquê. Não há lamarkismo nem conservadorismo suficientes para explicar ou para condenar a grande soma de comportamentos homossexuais encontrados entre mamíferos.  

AGORA... 

Se cabe aceitar que existam -- porque não se luta contra a natureza, mas se adapta a mesma --, isto não me impede de concordar com Enéas, quando disse que o homossexualismo deve ser respeitado, mas não é o padrão e não deve ser modelo, sob risco de termos uma redução populacional. Em resumo, transem a vontade, mas não queiram que a imensa maioria da sociedade aceite a imposição de um modelo em suas instituições. Aprendam que tolerância não significa mímesis.

Mas, marca toca pra ver se ele não avança nesta corrida...

sábado, setembro 20, 2014

Equívocos marxistas - 01


1 - O marxismo não acabou... Assim como as religiões também não acabaram;

2 - O marxismo pode ser ótimo na teoria, mas na prática... Ele é ruim na teoria mesmo, porque teoria não é algo distante da prática, mas algo que explica a prática;

3 - O marxismo é uma forma de determinismo... Sim, na medida que procura prever acontecimentos de grande envergadura conduzindo sociedades inteiras a partir do jogo de forças entre coletividades como classes, ele prega sim uma forma de determinação através de uma relação entre causa e efeito previsíveis;

4 - O marxismo é contrário à natureza humana... Quando pressupõe que a natureza humana é marcada pela solidariedade (assim como o randiano acha o contrário, que somos egoístas por natureza, ambos equivocados);

5 - O marxismo reduz tudo à economia... Na verdade, uma visão torpe da economia ou, para dizer a verdade, marxistas não entendem de economia porque consideram que o problema fundamental da economia não são os recursos escassos e sim o conceito de exploração;

6 - O materialismo marxista é desumano, contra aspectos espirituais... Na verdade não é desumano, é burro mesmo, ao colocar toda manifestação cultural, "espiritual", como se dizia antigamente como mero reflexo das "condições materiais", que seriam suas relações de produção (relações de propriedade, em linguagem não marxista) e forças produtivas (tecnologia, em linguagem não marxista);

7 - Nada é mais ultrapassado que a noção de classe... Eu não diria "ultrapassada", mas limitada mesmo ao ponto de não ser útil para entender a maior parte dos conflitos políticos e étnicos dos últimos milênios;

8 - O marxismo prega a violência... Para os outros, pois cabe à cúpula partidária "dirigir as massas" e, portanto, para atingir a suposta "sociedade igualitária", o processo revolucionário é sumamente desigual havendo os "Sansões" (para lembrar o romance de George Orwell) que são trabalhadores tratados como cavalos rumo ao abatedouro ou à guerra para impor seu processo revolucionários (os kulaks que o digam...);

9 - O marxismo idolatra o estado... Errado, na visão de Marx, o estado sequer era considerado teoricamente, não havendo uma teoria da burocracia, nem de agentes de permanência, como a antiga nobreza que se adequou migrando para cargos de poder político e estamentos na estrutura pública;

10 - Do ponto de vista político, o marxismo foi substituído por pautas mais adequadas, como ambientalismo, causa lgbt... Ou dito de outra forma, o marxismo vulgar (uma vez que a maioria dos seus militantes nunca leu Marx...) se infiltrou em outras causas deturpando-a (como na ambiental) e se reproduzindo como um câncer em metástase sobre as mentes incautas e preguiçosas. .


domingo, agosto 24, 2014

Repugna-me - 2


O legado da teorização sobre a educação brasileira tem muito a ver com a popularização do pensamento de Paulo Freire, mas como posso provar que tem a ver com este pedagogo?

Minha resposta não será satisfatória. Foi Paulo Freire quem iniciou o processo de decadência? Não, mas os atores responsáveis por isto via de regra são entusiastas de Paulo Freire. É uma aproximação, "achismo" se preferir, mas todos pedagogos com quem conversei (e não são poucos devido a minha profissão) foram unânimes em admitir que PF é a maior referência intelectual que possuem dentro de sua área E o autor mais lido em seus cursos (na USP e na UFSC). Pedagogos e professores que cursaram, por obrigação, disciplinas da pedagogia elaboram, anualmente, os programas curriculares de suas turmas, Isto, anualmente falando. Há aí um feedback ideológico à isonomia com que são tratados os professores (salários iguais e diferenciado apenas por tempo de serviço), i.e., com condenação, às vezes expressa, de qualquer forma de meritocracia que reflete na condenação do vestibular (que resultou na sua alteração e composição junto com o Enem e as cotas). Sindicatos adoram isto, não haveria inferno pior do que uma categoria internamente competitiva e, portanto, competitiva. Há, portanto, como afirmar que a pedagogia PF é o principal fator de um mau resultado no PISA? Não, pois teríamos que isolar esta variável e ver como o conjunto se comporta. Nem acredito que uma pedagogia seja o estopim de origem de uma situação decrépita, MAS é um fator FUNDAMENTADOR. Tal qual o islã radical que não pode ser restrito a uma explicação conceitual e literária, ele busca nos conceitos e literatura próprias seus fundamentos. E, cá entre nós, PF é explícito na sua ojeriza a qualquer forma de ranking, uma vez que isto seria "a reprodução de um sistema competitivo e alienante distantes do verdadeiro desenvolvimento". Como se vê nos resultados de pesquisas como o PISA, o desenvolvimento dos estudantes brasileiros é pobre, o que implica na formação de uma massa ignóbil apta ao mercado de manobra político.

“A maior parte dos professores nunca leu Paulo Freire.”

A maior parte dos comunistas ou simpatizantes do comunismo ou de ideologias próximas ao comunismo nunca leu Marx. E, provavelmente, nunca lerão. Veja... Eu li e consigo detectar marxismo mesmo quando alguém diz "não gostar de Marx", "não ser socialista" e "odiar o comunismo". Quantas pessoas tu já viu criticando a URSS ou mesmo Cuba, enquanto que fala da sociedade movida por classes sociais? Gerida por uma classe? A coisa é tão bizarra que algumas semanas atrás eu conversava com um corretor imobiliário aqui do meu bairro e comentei sobre a nossa possível "bolha imobiliária" e esperando mais informações ou a percepção do sujeito sobre o assunto fiquei boquiaberto com o rosário de melancolias que ele começou a destrinchar contra a "especulação imobiliária"! Cara! Ele é um especulador! É o tipo de agente social que vive da especulação. Via de regra eliminando os atravessadores como ele, os bens ofertados ficam mais baratos. Mas, o que quero dizer é que não é preciso se autodeclarar ou ter lido para usar uma lógica pertencente a um pensador ou escola de pensamento. Quanto ao mérito atribuído por 'experts' em pedagogia ao Paulo Freire é algo como me dizer que o Clube dos 13 fez uma avaliação positiva da FIFA. Não sei, mas provavelmente quem avaliou positivamente o legado de Paulo Freire seja farinha do mesmo saco. Com todo o respeito, não tenho respeito por pedagogos, se estes não tiverem sido professores com carga horária e semanal de trabalhador que precisa disto para fazer renda. Há pedagogos que simplesmente seguiram este caminho fazendo cursos de pós e passando a maior parte da vida em Faculdades de Educação, sem nunca terem tido experiência em escolas públicas do ensino básico ou particulares que, no geral, não trazem uma qualidade de ensino muito superior não.

Abaixo, nosso maldito legado pela ideologização do ensino e preconceito à meritocracia:


quinta-feira, agosto 21, 2014

Verdade e Opinião


"The opposite of a correct statement is a false statement. The opposite of a profound truth may well be another profound truth." - Niels Bohr (1885-1962)


Por uma reforma educacional - 01

Uma boa reforma educacional vai muito além da mera distribuição de
vouchers para alunos de escolas públicas. (Imagem: eagnews.org).

Uma coisa que fica evidente e que se pode observar pela demanda do mercado de trabalho são os cursos técnicos, seja para o setor privado ou para funções públicas. Isto, na minha opinião, deveria ser multiplicado através de empresas educacionais e também por instituições públicas na medida que supram deficiências de mão de obra qualificada. Agora, proibir de que cursos privados existam, eu acho errado. Se uma determinada faculdade é ruim, que se deixe que as pessoas decidam que vão cursá-la ou não. O que o governo pode e deve fazer neste sentido é um ranking para divulgação da qualidade que ela (corpos docente e discente) atingiram, segundo critérios dotados de transparência. O método utilizado para avaliar tem que ser acessível, se não até aí teria mutretagem, servindo os mesmos testes para prejudicar empresas educacionais de quem não come na mão de secretarias de educação ou do MEC. 

Quanto à qualidade das instituições privadas VS. públicas, eu penso que um modelo não deve excluir o outro. Numa das últimas avaliações de qualidade de ensino no Brasil feita através do ENEM, embora as públicas estivessem pior cotadas, a maioria das escolas particulares também não se saiu bem. Destacaram-se algumas escolas privadas e os institutos federais (ver aqui). E eu me pergunto o que muda para termos estes resultados? Minha resposta não é baseada em estudo sistemático nenhum, mas na minha experiência: melhores alunos provenientes de lares que a leitura é incentivada e melhores professores que são atraídos por melhores condições e isto inclui, obviamente, salários. Como eu acho que uma educação básica melhoria em escolas públicas municipais e estaduais? Premiando com salários maiores os professores que, repetidamente, apresentarem melhor desempenho (avaliado de modo externo, isto é importante). Quanto à parte dos alunos se deve enfatizar na leitura e cobrar pesado português e matemática. Isto funcionando, o resto é consequência. 

E os vouchers? Sou simpático à ideia, mas não acredito que eles por si só melhorarão a qualidade de ensino no Brasil. Eles fazem, evidentemente, parte de uma estratégia de realocação e otimização dos recursos públicos, mas o salto de qualidade quer gostaríamos de ver levaria uns 25 anos (uma geração) através de modificações, também na postura empresarial e cultural de nosso "consumidor educacional" (pais e responsáveis dos alunos). O que eu quero dizer com isto? Pensem: quantos pais saem por aí se gabando que a escola de seu filho tem uma sala de informática? Que significa isto? Como estes terminais são utilizados? É besteira. Agora, quantos pais vocês já ouviram falar bem da formação e, sobretudo, da experiência do profissional que toma a responsabilidade de ensinar seus filhos? Eu, pelo menos, nunca vi. Já vi sim falar do pátio com pônei, da horta, da feira de não-sei-o-quê, da excursão (que se for de adolescentes serve, primordialmente, para azaração). Claro que não imagino os recursos sendo revertidos em qualificação de mão de obra sem redução dos tributos cobrados dessas empresas educacionais. Mas não sejamos ingênuos, isto não ocorrerá magicamente por boa vontade. Nós todos procuramos maximizar nossos benefícios em quase tudo que fazemos, se for possível aumentar o lucro cortando custos, o faremos. Então, a única maneira que vejo é incentivando a concorrência. E vejo um papel governamental aí ao criar uma política educacional ao incentivar a competição entre elas através de vários campeonatos e divulgação de resultados dando ênfase aos fatores que levaram ao sucesso.

Outra coisa muito importante e isto ainda é minha especulação. Enquanto o sitema de vouchers não for disseminado e as escolas públicas ainda responderem por parte massiva das matrículas, eu apostaria na municipalização do ensino tanto quanto possível. Diretores não seriam cargos doados por prefeitos, mas eleitos e dotados de orçamento próprio, anual, fiscalizado pelas associações de pais e mestres. Isto daria autonomia às escolas e levaria, obrigatoriamente, à participação dos envolvidos sobre como os recursos estariam sendo utilizados. Houve roubo? Denúncia, processo, condenação? Ano seguinte, escola fechada e troca do staff envolvido. 

Ideias mirabolantes todos temos, já como fazer é que são elas. O que o Partido Novo poderia fazer a este respeito seriam projetos pilotos, só que eu ignoro completamente como isto seria possível do ponto de vista legal. Alguém aí pode me dar uma dica?


Bom dia,
a.h

quarta-feira, agosto 06, 2014

Notas sobre a doutrinação escolar - 01


O professor da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB) Bráulio Porto também criticou o excesso de ideologias na formação dos professores e considerou a inserção de temas transversais nas disciplinas tradicionais brasileiras como prejudiciais. “O excesso de doutrinação ideológica reduz o espaço dedicado à alfabetização e aos outros conhecimentos básicos como português, matemática e ciências. Enquanto as faculdades de educação de Cingapura oferecem 18 disciplinas de matemática, ciências e língua materna; no Brasil, as faculdades costumam oferecer apenas uma ou duas disciplinas de matemática, ciências e língua”, observou.
[Especialistas criticam excesso de ideologia na formação de professores, http://www.todospelaeducacao.org.br/educacao-na-midia/indice/29001/especialistas-criticam-excesso-de-ideologia-na-formacao-de-professores/]

Assino embaixo. Quanto a ter opinião é o seguinte: toda pessoa tem, eu mesmo tenho e é forte, não abro mão, exceto, é claro, que alguém prove que eu esteja errado. Agora, como professor que sou, acho um absurdo em entrar em sala e passar, sistematicamente, a impingi-las. A Geografia, matéria que ministro é pródiga nestes casos e há temas que são mais consensuais, como os abarcados pela Geografia Física, afinal uma montanha não se move de lugar por opinião (nem por fé...), mas o que fazer com a montanha, exploração, preservação, habitação, como habitá-la, se for o caso, etc., sim, é plenamente passível de opinião e posicionamentos programáticos e políticos acerca dessas opiniões. O que um professor, de verdade, deve fazer? Passar ao aluno todas as opiniões possíveis para que ele escolha ou construa a sua. “Ah! E a prova?” Deve ser composta por questões exatas sobre temas tidos como consensuais, do ponto de vista científico e questões livres, dissertativas se for o caso, sobre opiniões, abertas, mas passíveis de análise e julgamento pelo professor a partir de dados corretos e construção do raciocínio. “Ah! Mas quem faria isto? Como ver se o professor está agindo corretamente em sala?” Perfeito. Concordo com este temor e preocupação. O professor, assim como qualquer profissional, DEVE ser avaliado externamente e uma dessas avaliações deve ser a partir de provas externas aplicadas aos alunos, i.e., o desempenho destes sobre questões objetivas será um forte indicador de quão deturpada pode estar sendo seu programa de aulas.
Não há razão para não executar um programa de avaliação de desempenho indireto do profissional, o que é mais interessante que aplicar uma bateria de provas ao próprio professor é investigar o produto de seu trabalho, ou seja, como os alunos aprenderam o conteúdo ministrado em sala de aula. E o foco do avaliador que avalia o professor é entender a dinâmica da sala de aula e qual ou quais são as razões de problemas que são recorrentes. Temer isto não passa de um pueril corporativismo que lesa toda a sociedade com o mau resultado combinado de ideologia, falta de profissionalismo e acomodação numa carreira estável (se for pública) e que não zela pelo estudante porque, nesta equação, o estudo não está sendo ... estudado.